O que você pode fazer?

Segue abaixo as principais atividades que podem ser desempenhada por um filósofo:

 

Professor em escolas

O professor de filosofia dá aulas para alunos do ensino médio. 

Como os antigos filósofos, um professor de filosofia, tem a oportunidade de despertar o interesse de seus alunos e das pessoas em filosofia, trazer questionamentos que levem a reflexão além das preocupações cotidianas, e compartilhar sua visão de mundo. 

 

O professor pode trabalhar em escolas públicas ou privadas, para isso é preciso graduação em filosofia.

Infelizmente a profissão de professor não é valorizada como deveria, esse profissional não ganha bem, com exceção dos professores que dão aulas em cursinhos pré-vestibular, esses podem chegar a ganhar altos salários.

 

Para trabalhar em escolas públicas, é preciso passar em um concurso público.

Professor Universitário/Pesquisa

O professor universitário é responsável por dar aulas aos alunos da graduação e pós-graduação, além de realizar pesquisas sobre determinado assunto.

 

Para se tornar professor universitário é preciso estudar muito, e ir além da graduação, fazer mestrado e doutorado.

Para trabalhar em uma universidade/faculdade pública é preciso passar em um concurso público, em uma faculdade particular o que conta é o currículo acadêmico, portanto, quanto mais atividades acadêmicas você se envolver, como participação em eventos e publicações de artigos, melhor.

O professor universitário divide seu tempo em dar aulas e pesquisa, ele é demandado não só para aulas no curso de filosofia, mas também para outros cursos que essa matéria é especialmente importante como os cursos de ciências sociais aplicadas: Economia, Direito, etc. E demais cursos de humanas: Sociologia, História etc.

 

Ele pode fazer pesquisas e escrever sobre o assunto que quiser.

 

Apesar de ser bem direcionado para a Academia, e a grande maioria dos filósofos irem para esse área, é possível realizar outras atividades paralelamente:

Assessoria filosófica

 

Assessoria filosófica é a utilização da filosofia para melhorar o desempenho de empresas, auxiliar na elaboração de estatutos, elaboração do projeto de filosofia de uma escola, assessorar partidos e movimentos políticos e elaboração de projetos de atividades que merecem incentivos fiscais (como por exemplo, projetos para a lei Roanet).

 

Esse profissional encontra mais oportunidades na área do ensino e assessoria política, no entanto com o aumento da conscientização das pessoas e das empresas a respeito da necessidade de responsabilidade social, tem feito com que esta atividade seja mais procurada.

Mas ainda é raro encontrar um filósofo trabalhando como assessor, o mercado é  bastante restrito, é uma atividade recente.

Meios de Comunicação

O filósofo é visto como uma pessoa com opinião formada e que consegue transmitir suas ideias de forma clara, tanto na forma escrita quando falada.

 

Devido a essas habilidades é um profissional que constantemente faz análises éticas e políticas da sociedade.

 

Por conta disso, costuma encontrar espaço em jornais e publicações relacionadas a filosofia, e também em jornais e revistas para o público em geral.

 

Pode ser colunista e escrever sobre diversos temas, como ética, moral, política, etc.

​​Para seguir essa carreira, é preciso que o profissional tenha visibilidade.

 

Filósofos que tem o desejo de escrever para o grande público e não só de maneira acadêmica, podem desenvolver projetos autônomos, que não dependam de um jornal, como escrever em um blog por conta própria.

Além de jornais e revistas, alguns filósofos vão para o mercado editorial, na tradução de obras.

 

Muitas obras de filosofia requerem que o tradutor tenha conhecimento em filosofia para realizar a tradução de maneira mais adequada. 

 

As principais línguas que demandam tradução são o inglês, o alemão e o francês. Para atuar como tradutor não é necessário nenhuma formação complementar, só o domínio da língua que será traduzida.

 

A demanda por esses profissionais é bastante grande, faltam profissionais qualificados nesse mercado. 

Filosofia Clínica

 

A Filosofia clínica é a utilização terapêutica da filosofia. O objetivo da filosofia clínica é utilizar o ponto de vista filosófico para amenizar as dores da alma humana.

 

A orientação filosófica visa ajudar, no plano pessoal, a enfrentar os dilemas morais, os conflitos éticos, as crises de sentido, valor ou identidade, os desencontros entre a razão e as emoções.

 

Esse profissional pode atuar em consultórios, hospitais, escolas, empresas fazendo uso da metodologia filosófica para abordar questões existenciais. ​

Para atuar como filósofo clínico é necessário ter, especificamente, graduação em Filosofia, e realizar pós-graduação em Filosofia Clínica com Habilitação. A formação exige a realização do estágio supervisionado.

 

O curso de formação em Filosofia Clínica com habilitação à pesquisa dura, no mínimo, 18 meses.

​O filósofo clínico pode ser visto como uma espécie de conselheiro.

 

Esse é um ramo que ainda é bastante desconhecido, e existem pouquíssimos profissionais que são especializados nessa área.

 

Ainda não há uma demanda muito grande para esse profissional trabalhar somente com terapias individuais, mas é uma área que tem tudo para crescer.

 

Não importa onde o filósofo vá trabalhar, hoje em dia seu trabalho não é muito diferente do filósofo de antigamente, tem como missão sair da sua zona de conforto, e se preocupar em encontrar respostas para temas de extrema relevância para a humanidade.