Política é um assunto bastante polêmico no nosso país, e nunca foi tão polêmico como nos últimos anos.


Infelizmente, os políticos não tem uma boa reputação no Brasil, essa profissão é sinônimo de descaso e incompetência.


Mas, nunca houve tanto interesse por esse assunto como agora, e isso faz com que pessoas realmente bem intencionadas se interessem pela carreira política, e em contribuir para que o país mude.

Se você é uma dessas pessoas, continue lendo o texto, vamos falar sobre o caminho que é preciso percorrer para se tornar um político, e como funciona essa  profissão.

 

Qual curso devo fazer para ser um político?

Para ser político não é preciso fazer nenhum curso específico, na verdade não é necessário ter curso superior (infelizmente muitos políticos não tem).

Mas, os mais recomendados são: Ciência Política, Administração Pública, Sociologia, Economia, Direito e Administração. Cursos ligados a ciências humanas e sociais no geral.

Se você puder escolher onde estudar, procure saber qual a direção política das faculdades que te interessam.

 

Há faculdades em que as pesquisas e os professores são mais voltados para uma determinada linha de pensamento e outras para outra linha, algumas são mais extremas e outras são mais centrais.

Uma maneira de descobrir essa informação é conversando com alunos ou ex-alunos que estudem em faculdades que te interessem.

 

É bastante fácil encontrar grupos de cursos de determinada faculdade no facebook, e também entrar em contato com o centro acadêmico do seu curso. Assim, você pode escolher uma faculdade na qual se identifique mais.

 

Qual a função de um político?

Antes de pensar em como seguir essa carreira, é importante entender o que cada político faz, qual sua função e competências. Veja abaixo.

Vereador – O vereador é o representante da população perante o poder público. Tem a mesma função que um deputado, mas no nível municipal. Ele cria, debate e extingui leis, que sejam de competência da prefeitura. Também fiscaliza o prefeito.

Portanto, o vereador não pode realizar projetos como construir creches, aumentar as vagas nas escolas, construir postos de saúde etc. Coisas que muitos candidatos a vereador prometem.

 

Prefeito – O prefeito é o chefe do município, ele é o responsável por administrar a cidade.  Tem a função de distribuir os recursos da prefeitura para atender as demandas da cidade, e procurar maneiras de desenvolver o município economicamente, para gerar emprego e renda.

É de competência do município: A saúde municipal (os postos de saúde), educação Infantil e fundamental, limpeza das cidades, transporte dentro da cidade e pavimentar as ruas da cidade.

Mas, a distribuição de recursos, e qualquer projeto que o prefeito queira implementar, deve passar pela aprovação dos vereadores.

 

Deputado Federal – Os deputados, assim como os vereadores, tem como função representar e defender os interesses da população. O deputado federal atua na esfera federal, sua principal atividade é elaborar, discutir, extinguir e aprovar leis.

Também fiscalizam o governo federal, investigam denúncias na CPI, autorizam abertura de processos contra o presidente e aprovam o orçamento da união (as despesas do governo).

Quando o presidente quer fazer mudanças, ou criar determinado projeto, como por exemplo, reforma na previdência e trabalhista, elas devem ser aprovadas pelos deputados.

Deputado Estadual – O deputado estadual tem a mesma função do deputado federal, mas na esfera estadual. Tratam de assuntos que competem ao governo estadual, aprovam o orçamento do estado e fiscalizam o governador.

Senador – Os senadores desempenham uma função parecida com os deputados, também aprovam e modificam leis, e representam os interesses de seus eleitores.

Uma das diferenças dos senadores para os deputados, é que eles integram as comissões do senado, onde discutem problemas específicos, como saúde, economia etc. Nessas comissões, há longos debates sobre esses assuntos.

Os senadores também têm outras funções, como fiscalizar o governo e aprovar os indicados pelo presidente para ocupar cargos muito importantes, como o STF, a presidência do Banco Central, os embaixadores, entre outros.

Governador – O governador tem a mesma função que o presidente e o prefeito, mas a nível estadual, ele administra o estado e tem responsabilidades que são do poder executivo, como distribuir os recursos em projetos e cuidar do desenvolvimento do estado.

É de competência do estado: A segurança pública do estado, a Polícia Militar e Civil, o transporte intermunicipal e interestadual, estradas (entre as cidades), os portos e aeroportos, o sistema prisional, a educação do Ensino Médio, entre outras atribuições.

As empresas que ofertam serviços de saneamento básico e energia, também são empresas estaduais.

 

Presidente -  O presidente é a autoridade máxima do país, ele é responsável pela administração do Brasil.

O presidente desempenha muitas funções, e tem várias responsabilidades. É função da presidência planejar o orçamento (despesas), sugerir leis e criar políticas com objetivos específicos, como gerar empregos, melhorar o comércio internacional etc.

O governo federal também faz repasses aos estados e municípios, e busca investimentos para que o Brasil cresça, gere emprego, renda, melhore o comércio, a indústria, entre outras coisas.

O presidente, ainda, zela por um bom relacionamento com outros países e trata da segurança nacional. Também tem o poder de vetar e sancionar leis que foram aprovadas por deputados e senadores, e nomeia muitos cargos importantes, como os ministros (da saúde, agricultura, educação etc), os ministros do STF, o presidente do Banco Central, entre outros.

Mas, esse cargo, não é superpoderoso, há restrições. Qualquer projeto que interfira na vida das pessoas deve passar pelo congresso. E, como já foi falado, os senadores aprovam, inclusive, as nomeações de cargos do presidente, por isso é importante que tenha uma boa relação com o congresso, caso contrário terá bastante dificuldade para governar.

 

 

Além desses, existem vários outros cargos políticos que são exercidos sem eleição, que são por nomeação, como os ministros (ministro da educação, do esporte etc) e secretários municipais e estaduais (secretário da educação, da saúde etc).

 Apesar de não precisar seguir carreira política para isso, ela ajuda muito, já que são cargos que dependem de contatos políticos.

Esses profissionais são responsáveis por identificar as demandas da população e aplicar os recursos públicos, das áreas que representam, para implementar medidas que atendam essas demandas. Ou seja, eles executam políticas.

O Ministério da Educação, por exemplo, criou um projeto para reformar o ensino médio. De acordo com o ministério, essa reforma fará com que o ensino seja mais atraente para os estudantes e diminuirá a evasão escolar.

Ou seja, o ministério criou uma política que acredita que vai resolver um problema da população.

 

 

Como é o ambiente político?

O ambiente político é bastante difícil, há muita burocracia, é devagar, há muitos interesses e conflitos de interesses. Para se encaixar nesse ambiente é preciso ter um tipo de personalidade bastante específica.

A principal atividade realizada pelos políticos é lidar com pessoas, por isso, é preciso ter habilidades bem particulares, como saber se relacionar bem com pessoas diferentes, ser bom em negociações, ser persuasivo e ter muita paciência.

Independente do cargo ocupado, a maioria das vezes, seu trabalho vai depender do trabalho de outras pessoas. Os resultados demoram a chegar, todos os dias é preciso lidar com pessoas com interesses diferentes dos seus, com pessoas mal intencionadas, com situações desconfortáveis e, as vezes, com um ambiente de trabalho pesado. É preciso ter sangue frio e persistência.

 

 

Como começar na vida política?

Para construir uma carreira política é preciso tempo, persistência e paciência. A primeira coisa a se fazer é conhecer pessoas, começar a criar contatos e conhecer a população que irá representar.

Uma boa maneira de fazer isso, é fazendo trabalho voluntário, e participando das atividades da sua comunidade. Participe de reuniões de condomínio, de sindicatos, se você se identificar com a causa, e de outros grupos que existam na sua cidade.

Quando estiver na faculdade, procure se envolver com atividades de caráter político, como participar de centros acadêmicos e diretórios dos estudantes.

 

Também procure realizar atividades acadêmicas, pois é importante que tenha bons conhecimentos acadêmicos, e seja um estudioso, além disso, muitos cargos de formulação de políticas são dados a acadêmicos.

O próximo passo é escolher um partido político, e se voluntariar, você poderá participar de campanhas, entender como elas funcionam, e começar a fazer contatos com as pessoas do meio da política.

Para se candidatar a deputado, por exemplo, é preciso se destacar entre as pessoas de seu partido, por isso procure mostrar que você tem habilidades importantes para esse cargo, como falar bem em público e lidar bem com pessoas.

Quando iniciar no mundo político, terá que desempenhar algumas tarefas, como fazer propaganda do seu partido, convencer pessoas a votarem nele, fazer parcerias e principalmente angariar fundos.

Além disso, é preciso estudar muito. Apesar de vermos muitos políticos sem preparo nenhum para a vaga que está ocupando, essa é uma profissão muito importante e muito difícil, e é preciso ter bons conhecimento sobre diversas áreas, para ter um bom desempenho.

 

 

O que é preciso para se candidatar?

Para se candidatar a qualquer cargo é preciso ser filiado a um partido político, não é possível concorrer de maneira independente, como acontece em alguns países.

A primeira coisa a pensar antes de se candidatar, é em quais mudanças você quer fazer, e se elas são possíveis para o cargo que está se candidatando.

Se você está se candidatando para vereador, não adianta prometer que vai lutar pela educação de qualidade para todo o país e que vai construir hospitais, que essas coisas não são da sua competência.  

Também não faz sentido você querer se candidatar para presidente se nunca exerceu nenhum cargo público, o ideal é que comece como vereador ou deputado, e vá subindo de cargo com o tempo.

Infelizmente, essa carreira tem muitas desvantagens para quem nunca teve contato com o meio, filhos de político e assessores entram na política muito mais cedo e com muito mais facilidade, pois já possuem contatos importantes. Se esse não é o seu caso, irá demandar mais tempo e esforço.

Além disso, uma campanha é muito dependente de dinheiro, ela custa muito caro, e para que seja relevante, o candidato precisa de um financiador. 

Existe a possibilidade de que os financiamentos de campanhas sejam proibidos, mas por enquanto ainda são muito importantes.

 

O grande problema dessa situação é que ninguém vai financiar sua campanha de graça, os doadores, que normalmente são empresas, vão querer algo em troca, e se for eleito vai ter de atender aos interesses de quem te financiou.

Se você pretende se candidatar é importante que tenha jogo de cintura para lidar com essa situação.

 

 

Como criar um partido político?

Se você se interessa em realizar um trabalho mais amplo, que simplesmente se candidatar para um cargo, pode criar um partido político.

Uma definição simples de um partido político, é um grupo de pessoas com uma visão de mundo parecida, que se juntam para unir forças em prol de uma causa.

Para criar um, a primeira coisa que precisa fazer é juntar pessoas que se alinhem com suas ideias e estejam dispostas a votar em seu partido. 

Depois de conseguir juntar gente, é preciso elaborar o programa e o estatuto do partido, publicar no diário oficial da união, e escolher quem serão os dirigentes do partido.

Feito isso, é preciso fazer o registro de pessoa jurídica no cartório em Brasília, e informar o TSE e os tribunais regionais quem são os responsáveis pelo partido.

 

Depois de tudo isso, ainda é preciso colher assinaturas de apoio ao partido.

Quando finalmente conseguir criar seu partido, terá outras preocupações. como conquistar eleitores e principalmente conseguir verba para as campanhas. 

 

A principal fonte de renda de um partido político é fundo partidário. O fundo partidário é composto de doações ao partido (de empresas e pessoas físicas), recursos que são destinados por lei, eventuais multas e doações da união.

Quanto mais dinheiro tem um partido, mais relevante ele é.

Veja também como é o curso de direito.

Como Seguir Carreira na Política?