Os problemas relacionados a segurança do trabalho geram grandes prejuízos sociais e financeiros. Segundo o INSS, em 2015 o Brasil registrou 612.632 acidentes de trabalho, sendo que 2.502 foram acidentes que resultaram em mortes.

 

Esses resultados fazem com que o Brasil ocupe, segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), o quarto lugar entre os países com maior número de acidentes de trabalho, atrás apenas da China, Índia e Indonésia.

Para evitar que estes acidentes continuem acontecendo, existe o técnico em segurança do trabalho. Esse profissional tem como função analisar todos os riscos à saúde existentes em um ambiente de trabalho, e as precauções necessárias que a empresa deve adotar, para que esse dano não ocorra.

O técnico em segurança do trabalho é um profissional obrigatório nas empresas que possuem muitos funcionários, segundo a Norma Regulamentadora n°4 (NR4), o número de técnicos deve ser proporcional ao número de funcionários e o setor que a empresa está inserida.

 

O dia a dia de trabalho desse profissional inclui a análise de campo, para identificar os riscos e traçar planos para solucioná-los. Informar sobre os riscos do ambiente de trabalho, administrar treinamentos, escrever relatórios e documentos, para a empresa, e verificar o uso dos equipamentos de proteção individual (EPI).

O técnico também precisa ter conhecimento sobre a legislação relacionada a Anvisa, bombeiros e normas regulamentadoras. O conhecimento legal é fundamental.

 

Como é o curso?

 

Para ingressar nessa profissão, o estudante precisa fazer o curso técnico em segurança do trabalho.  Esse curso tem duração de 4 anos na modalidade integrado (que é a modalidade que você faz o curso técnico junto com o ensino médio) e de 2 anos depois que já terminou o ensino médio.

Durante o curso o aluno terá matérias básicas como português instrumental, fundamentos de matemática e estatística, informática básica e relações interpessoais, também tem matérias mais técnicas e específicas como: higiene do trabalho, biossegurança e primeiros socorros, prevenção e controle de riscos, direito e legislação aplicados à segurança e saúde do trabalho.

O curso habilita os profissionais técnicos a atuarem em diversos setores industriais, como os de construção civil, eletroeletrônica, metalurgia, indústrias do setor têxtil, madeireiras, de transformação, dentre outros.

 

O Mercado de Trabalho

Os setores que mais demandam o profissional de segurança do trabalho são a indústria e a construção civil. Infelizmente, esses setores foram fortemente impactados pela crise econômica que a economia brasileira está passando. Por conta disso, o mercado se encontra um pouco saturado, com expectativas de melhora só a partir do ano de 2018.

Apesar das dificuldades da economia brasileira, essa profissão tem uma boa entrada no mercado.

Normalmente esse profissional começa como estagiário ou como auxiliar técnico, podendo progredir para o cargo de técnico de segurança do trabalho. O salário médio é cerca de 2.600 reais.

O técnico, pode ainda, evoluir para supervisão de segurança do trabalho, e se fizer curso superior, pode trabalhar como engenheiro de segurança do trabalho.

Além das empresas privadas, os técnicos podem trabalhar no setor público também. Os principais concursos para esse profissional são municipais, para trabalhar com os funcionários da administração municipal, e em empresas públicas, como companhias de energia.

Pode trabalhar também em lugares que prestam consultoria e treinamentos para empresas, a fim de auxiliá-las na prevenção de acidentes, principalmente com problemas relacionados a saúde ocupacional, como lesões por esforço repetitivo.

É importante que o técnico em segurança do trabalho sempre se mantenha atualizado sobre as Normas Regulamentadoras e sobre o setor que trabalha.

 

 

Onde tem curso?

SENAI

O curso técnico em segurança do trabalho é um dos mais ofertados pelo SENAI, as inscrições para o curso podem ser feitas nas unidades locais, e o principal critério de seleção é a ordem de efetivação da matricula.

 

As mensalidades variam conforme o lugar, os valores podem ir de R$ 200,00 a R$ 500,00 reais dependendo da localidade.

 

Institutos federais

Os cursos ofertados nos institutos federais são gratuitos, para estudar em um deles é preciso passar por um processo seletivo.

 

Os institutos também oferecem ajuda de custo para os estudantes, auxiliam no transporte, materiais utilizados no curso e até alojamento para quem precisa e é de outra cidade. Para os estudantes de baixa renda os institutos podem cobrir 100% dos custos.

Para mais informações sobre o processo seletivo, acesse o site do instituto de seu estado.

 

O curso de técnico em segurança do trabalho é ofertado em quase todos os estados do país, não sendo oferecido somente pelos institutos federais dos estados do Amapá, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia Roraima e Distrito Federal.

Técnico em Segurança do Trabalho